DA PORTA PARA DENTRO: a realidade de quem viveu em abrigos

Vamos divulgar:

Mais de 47 mil crianças e adolescentes vivem em instituições de acolhimento no Brasil. Foram afastados da família de origem porque estavam em situação de risco. Mas nem sempre a vida nos abrigos garante a proteção e os direitos previstos nas leis, geralmente são privados do convívio e ficam reféns da estrutura deficitária do Estado. O retorno à vida com os pais biológicos é muito difícil e raro. A adoção é o destino dos pequenos, mas para os adolescentes a regra é ficar da “porta para dentro” até os 18 anos, quando deixam os abrigos. Um dos momentos mais dramáticos para eles e elas.

Conheça um pouco mais sobre o assunto no mini documentário produzido pelos estudantes de jornalismo do UniCeub em Brasília.

Vamos divulgar:
%d blogueiros gostam disto: