Evento aproxima crianças e adolescentes que vivem em abrigos de adultos que desejam adotar um filho

Vamos divulgar:

Marcella Cesa Bertoluci abraçou com vigor incomum, ainda na adolescência, uma causa que costuma depender de decisões de gente grande. Hoje com 18 anos, a estudante universitária está à frente do projeto Missão Diversão, iniciado quando ela ainda frequentava o Colégio Farroupilha, em Porto Alegre, e que tem como objetivo promover possibilidades de adoção.

Em sua quarta edição, a iniciativa aproxima, em um ambiente lúdico, com interação por meio de brincadeiras, crianças e adolescentes que vivem em abrigos e adultos que aguardam na fila para adotar um filho. O Missão Diversão se realiza neste sábado (23), entre 14h e 17h, na unidade Três Figueiras do Farroupilha (Rua Carlos Huber, 425). O evento não é aberto ao público em geral.

Até agora, cinco casos de adoção já se concretizaram a partir dos encontros organizados pela jovem, em parceria com a escola, voluntários e o Poder Judiciário do Rio Grande do Sul. O foco do programa é a adoção tardia, ou seja, crianças maiores, que não sejam mais bebês — sempre os mais procurados —, e adolescentes.

Quando tinha 16 anos, Marcella se interessou pelo tema a partir de uma atividade escolar que incentivava o envolvimento dos alunos com projetos sociais. A garota se encantou pela causa e saiu a buscar informações, descobrindo caminhos para colocar suas ideias em prática.

— Hoje, basicamente, minha vida gira em torno desse projeto. Acabou virando o propósito da minha vida — vibra a estudante do curso de Administração — Gestão para Inovação e Liderança, da Unisinos.

Cada edição do Missão Diversão é organizada com uma proposta diferente. Já foram oferecidas caça ao tesouro e um rodízio de práticas esportivas, por exemplo. Desta vez, quando é aguardada a participação de 39 crianças e adolescentes e cerca de 25 pessoas habilitadas à adoção, serão conduzidas atividades recreativas, numa espécie de gincana, com a temática de super-heróis.

Marcella se emociona ao perceber o impacto que vem conseguindo provocar:

— Ainda não tenho certeza se caiu a ficha. Nunca pensei que eu seria capaz de fazer uma coisas dessas. É bem surpreendente. No dia em que me contaram que crianças tinham sido adotadas, falei: “Meu Deus, que sensacional!”.

Juízes da Infância e da Juventude de Porto Alegre vêm acompanhando o andamento do projeto. Um deles é Charles Maciel Bittencourt, que deverá estar presente no Colégio Farroupilha neste sábado. Bittencourt saúda o engajamento e a disposição de Marcella e a possibilidade de a proposta ajudar a desmistificar o assunto.

— Pode ter uma parcela da sociedade que não conhece a realidade de uma criança ou de um adolescente que estão aptos para adoção. Às vezes, se tem uma ideia equivocada e, depois, se verifica que se trata de uma criança com potencial, amável, afetiva, pronta para dar amor e carinho, como qualquer outra criança. O encontro permite tornar a ideia da adoção mais transparente, de acesso à comunidade. A tendência é diminuir preconceitos e ampliar possibilidades. Essa oportunidade pode resultar em laços futuros — afirma o juiz.

O Missão Diversão deve ter sua próxima edição no segundo semestre. A ideia é realizar dois eventos por ano.

Fonte: LARISSA ROSO – GAÚCHAZH

Vamos divulgar: